Consciência Negra

 

 

“Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando não no corpo, a sombra, ou pelo menos a pinta, do indígena ou do negro...”

Gilberto Freire, Casa Grande e Senzala.

JUSTIFICATIVA

 

 

Em 2003, a lei nº. 10.639/03, tornou obrigatório o ensino da História e da Cultura Afro-Brasileira em todas as escolas de ensino fundamental e médio do país. A imposição se aplica a instituições públicas e privadas. A partir da sanção dessa lei, as escolas brasileiras passaram a ter que implementar o ensino da cultura africana, da luta do povo negro no país e de toda a história afro-brasileira nas áreas social, econômica e política. O conteúdo deve ser ministrado transversalmente, em todo o currículo escolar, com ênfase nas áreas de História Brasileira, Educação Artística e Literatura. "Essa lei é uma reivindicação muito antiga e altera a Lei de Diretrizes e Bases" e insere o tema nos PCNs, afirma Roseli Fischmann, coordenadora do grupo responsável pelo documento sobre Pluralidade Cultural dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN), professora da USP e da Universidade Metodista de São Paulo. "A legislação faz justiça à contribuição que esse grupo esquecido, mas importante, deu ao país", explica ela, que também é expert da Unesco para a Coalizão Internacional de Cidades contra o Racismo e a Discriminação. Segundo Roseli, a lei é um passo importante para o reconhecimento presença histórica dos negros no Brasil e no combate ao racismo. "Uma das formas de discriminar um grupo é silenciá-lo, tornando-o invisível. Isso aumenta o desconhecimento e estimula o preconceito e ignorância".

Outrossim, o projeto: Reorganização Do Plano Estratégico Das Salas De Tecnologias das Escolas Estaduais de Campo Grande/MS, afirma que: Com o objetivo de melhorar o desempenho do ensino e da aprendizagem, aperfeiçoando o projeto salas de tecnologias presente na rede estadual, elaborou-se esse plano estratégico, que norteará os trabalhos desenvolvidos nas STEs de Campo Grande, jurisdicionadas ao Núcleo de Tecnologia Educacional de Campo Grande Capital no ano de 2011.

Ao programar o projeto Conecta Escola buscou-se definir ações, estratégias, responsabilidades e meios de melhor incentivar e dinamizar o uso das salas de tecnologias educacionais. Propor uma série de mecanismos de acompanhamento, onde o professor de tecnologias possa tornar-se um efetivo apoio na construção de um saber expressivo. Saber esse que possa refletir em um aprendizado significativo para o aluno que faz uso das diversas tecnologias presentes nas escolas.

 

 INTRODUÇÃO

 

O Brasil é um país caracterizado por profundas desigualdades sociais, onde a maioria da população não tem acesso a serviços essenciais que possam garantir sua sobrevivência. Infelizmente, esta maioria que sofre as conseqüências das mazelas sociais desse país é de descendência africana. Os negros são a maioria dos desempregados, analfabetos, são os que menos tempo permanecem nas escolas e constituem a maioria das vitimas da violência policial. Esse quadro é decorrente do processo histórico brasileiro, pois os negros foram escravizados durante séculos e, logo após o fim da escravidão legal, foram colocados a margem do desenvolvimento econômico e social.

O papel da nossa escola é mudar esse enfoque. Este projeto visa uma reflexão sobre a situação do negro no passado e no presente para que possamos falar desse mal sem ter desse povo , mas reconhecendo toda a sua dignidade e sua valorosa contribuição para a riqueza do Brasil e do mundo

 

 CONTEXTUALIZAÇÃO DA ESCOLA

 

 

A Escola Estadual Professora Joelina de Almeida Xavier localiza-se à Rua Sandoval Soares nº. 54, Jardim Guanabara, telefones: 314-1251 e 351-6895, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

O espaço físico da escola está constituído por 05 (cinco) salas de aula, 01 sala de Tecnologia Educacional, 01 (uma) sala de Professores, 01 (uma) secretaria, 01 (uma) sala de direção 01 (uma) sala de coordenação, cozinha, depósito de merenda, depósito para equipamentos diversos, 01 (um) banheiro masculino, 01 (um) banheiro feminino, 02 (dois) banheiros para professores e uma quadra de esportes coberta ( construída em 2011).

O estado de conservação da escola é considerado bom, mas precisa de algumas reformas e adaptações a título de manutenção do prédio escolar.

A escola oferece seus serviços em três turnos de funcionamento: Vespertino, que funciona das 13 horas às 17 h10 minutos, o Noturno, que funciona das 18h10min horas às 21h50min, a partir de 2011 passou a funcionar o Período Integral, das 7:00 h às 16:00 h.

O número de alunos freqüentes no terceiro bimestre/2011 estava assim distribuído: Turno Integral: 142 alunos, Turno Vespertino: 141 alunos e no Turno Noturno: 243 alunos. Somando um total de 524 alunos nos três turnos.

O sistema de ensino está organizado da seguinte forma: Sala de Recursos, Ensino Fundamental: 1ªano ao 9ªano e a EJA – Educação de Jovens e Adultos: 1º à 4º fase do ensino fundamental e 1ª e 2ª fases do Ensino Médio.

Os principais problemas que afetam a Escola Estadual Professora Joelina de Almeida Xavier estão relacionados aos conflitos familiares, falta de compromisso dos pais em relação ao estudo dos filhos, falta de funcionários administrativos, recursos financeiros e pedagógicos insuficientes,

Dificuldade de integração entre a escola e a comunidade, tendo em vista que a maioria dos alunos mora em outros bairros.

A evasão escolar e a repetência são aspectos graves e que também afetam a escola e ainda, somando-se a isso, o baixo rendimento escolar, e a falta de estímulo para a melhoria na qualidade de vida.

A situação funcional da equipe pedagógica se apresenta da seguinte maneira: 19 professores efetivos, 20 professores convocados, professores intérpretes 03. Total de professores: 42.

A equipe técnica pedagógica está composta por uma diretora, três coordenadoras pedagógicas, uma secretária geral, uma gestora de assuntos organizacionais, dois assistentes de administração e um agente administrativo.

Compõe a equipe de apoio aos trabalhos escolares: o Colegiado Escolar e a Associação de Pais e Mestres, instituições escolares que contribuem com o bom andamento das atividades escolares.

Os recursos técnicos pedagógicos da Escola Estadual Professora Joelina de Almeida Xavier são o seguinte: televisão, vídeo, DVD, retro projetor, biblioteca, livros, Mimeógrafo, xerocopiadora, computador, mapas geográficos, globo terrestre, bolas de vôlei e futebol de salão, esqueleto humano, corpo humano, diversos materiais didático-pedagógicos e uma Sala de Tecnologia Educacional com 16 computadores para alunos, 01 computador para professor e 01 servidor.

 

Metodologia

 

         Pesquisar na Internet, revistas, jornais,

·        Pesquisas bibliográficas.

·        Utilização de vídeos e filmes.

·        Elaboração de Gráficos e tabelas.

·        Fotografias.

·        Apresentação do Power Point.

·        Elaboração e divulgação de vídeos no site www.youtube.com.br e http://eejoelinadealmeidaxavier.webnode.com.br

·        Apresentação com o data show pelos alunos.

 

Objetivo Geral

 

  • Valorizar a cultura negra e seus afros descendentes e afros brasileiros, na escola e na sociedade.

 

Objetivos específicos:

  

  • Constatar as diferenças e semelhanças de vida entre afro brasileiros e negros de outros países.
  • Incentivar a participação na busca de soluções ao combate dos problemas sociais.
  • Utilizar os recursos tecnológicos com os alunos da 2ª fase do ensino médio de forma significativa, visando a divulgação no site http://eejoelinadealmeidaxavier.webnode.com.br do projeto desenvolvido na escola.
  • Incentivar a divulgação dos projetos desenvolvidos na escola.
  • Reconhecer a importância da contribuição cultural dos afros descendentes na formação da cultura e do povo brasileiro.

  

Cronograma

 

Os trabalhos serão elaborados nos meses de Agosto, Setembro, Outubro e Novembro de 2011, na Sala de Tecnologia Educacional da EE Professora Joelina de Almeida Xavier.

         Todos os trabalhos elaborados pelos alunos da 2ª fase do ensino médio, modalidade EJA serão publicados no site http://eejoelinadealmeidaxavier.webnode.com.br .

  

Avaliação

  

            A avaliação acontecerá em qualquer momento do processo educativo de forma contínua e diagnóstica, através de:

  • Relatórios.
  • Pesquisas
  • Textos,
  • Poesias
  • Criatividade
  • Participação
  • Assiduidade
  • Exposição do tema
  • Debates
  • Cantos
  • Danças
  • Postagem no site

 Conclusão

            Pode ser que a patologia do racismo já venha de casa e que a escola não possa ser responsabilizada por isto. É verdade, não se pode negar que a própria família é outra agencia de reprodução do racismo, mas não se pode negar também que cabe à escola o papel de socializar os educandos nos valores difundidos pela constituição brasileira e pela declaração universal dos direitos humanos que a igualdade perante a lei, o respeito a cultura e os valores dos povos que constituem a nação brasileira são alguns desses valores sem os quais não se constroem cidadania nem democracia em nenhum País. É relevante a parte da escola e a parte da família no combate aos mais diversos tipos de racismo.

 

Referências: Projeto Consciência Negra

 http://educarparacrescer.abril.com.br/comportamento/consciencia-negra-511253.shtml

http://www.projetospedagogicosdinamicos.com/negro.htm

http://mentesbrilhantes.arteblog.com.br/275713/Projeto-Consciencia-Negra/

http://www.mundojovem.com.br/datas-comemorativas/consciencia-negra/projeto-consciencia-negra-um-olhar-negro.php

http://sugestoesescolaresdiversas.blogspot.com/2011/02/nome-do-projeto-consciencia-negra.html

http://blog.clickgratis.com.br/tereprof/352271/Projeto+Conci%EAncia+Negra.html

http://revistaescola.abril.com.br/consciencia-negra/

http://www.brasilescola.com/sociologia/dia-consciencia-negra-heroi-chamado-zumbi.htm

http://rimedapereira.webnode.pt/news/projeto%20consci%C3%AAncia%20negra%3A%20%20historia%20e%20reflex%C3%A3o%20acessiveis%20%C3%A0%20comunidade%20de%20argolo/

http://eadserver.ead.ufms.br/wiki/index.php/Maria_Auxiliadora_da_Silva_Muller

http://www.mundojovem.com.br/datas-comemorativas/consciencia-negra/projeto-consciencia-negra-um-olhar-negro.php

 

 

Projeto elabotado pelo Professor Luis Antonio M. Bittar e pala Coordenadora Pedagógica Olga da Costa Ferreira